Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Alzheimer: medicamento para diabetes ‘Triple-action’ se mostra promissor como tratamento

Cientistas do Reino Unido e da China descobriram que um novo remédio para o diabetes tipo 2 pode proteger o cérebro de danos causados ​​pela doença de Alzheimer, após testá-lo em camundongos.

três frascos de comprimidos

Em um novo artigo publicado na revista, os pesquisadores explicam como a droga de “ação tripla” resultou em uma reversão significativa da perda de memória em camundongos geneticamente modificados para desenvolver doença de Alzheimer semelhante à humana.

A nova droga “tem uma promessa clara de se tornar um novo tratamento para doenças neurodegenerativas crônicas, como a doença de Alzheimer”, diz o líder do estudo Christian Hölscher, professor da Faculdade de Saúde e Medicina da Universidade de Lancaster, no Reino Unido.

A doença de Alzheimer é uma doença cerebral que responde por 50% a 75% dos casos de demência, uma condição em que as pessoas perdem gradualmente a capacidade de pensar, lembrar, tomar decisões, manter uma conversa e cuidar de si mesmas.

Conforme a doença progride, o cérebro passa por mudanças biológicas e químicas, e áreas específicas encolhem à medida que as células nervosas, ou neurônios, morrem.

As causas exatas da doença de Alzheimer são atualmente desconhecidas, mas exames microscópicos do tecido cerebral afetado revelaram duas marcas: acumulações anormais de segmentos de proteína conhecidos como “placas” e “emaranhados”.

Os tratamentos atuais não fazem diferença real

O número de pessoas com doença de Alzheimer está aumentando rapidamente à medida que a população envelhece. Em 2015, havia uma estimativa de 46,8 milhões de pessoas em todo o mundo que vivem com demência, e este número deverá atingir mais de 130 milhões em 2050.

Nos Estados Unidos – onde a doença de Alzheimer é atualmente a sexta causa principal de morte – há cerca de 5 milhões de pessoas vivendo com a doença de Alzheimer. Espera-se que este número aumente para 16 milhões até 2050, acompanhado por um aumento significativo nos custos.

Para os EUA, o custo da doença de Alzheimer e outras causas de demência em 2017 foi estimado em US $ 259 bilhões e deve aumentar para US $ 1,1 trilhão até 2050.

Atualmente, não há cura para a doença de Alzheimer, e também não há tratamentos que façam uma diferença significativa nos sintomas.

A preparação aumenta a atividade de três fatores de crescimento

O diabetes tipo 2 é uma doença que resulta da resistência à insulina, uma condição na qual as células se tornam menos sensíveis à insulina e, portanto, menos capazes de absorver glicose da corrente sanguínea para usar como energia.

O pâncreas produz mais insulina para compensar, mas eventualmente não conseguirá acompanhar e os níveis de glicose no sangue aumentarão, levando a pré-diabetes, diabetes e outros problemas de saúde.

A droga testada pelo prof. Hölscher e seu grupo no novo estudo é um “triplo receptor agonista” que ativa as proteínas que permitem sinais de três fatores de crescimento – chamados peptídeo-1 semelhante ao glucagon, polipeptídeo insulinotrópico dependente de glicose e glucagon – para entrar nas células.

Estudos anteriores revelaram que o diabetes tipo 2 é um fator de risco para a doença de Alzheimer, e problemas com a sinalização do fator de crescimento foram detectados no cérebro de pessoas com a doença.

O novo estudo é o primeiro a mostrar que um agonista do receptor triplo pode proteger o cérebro do dano cerebral progressivo que ocorre na doença de Alzheimer.

‘Efeitos neuroprotetores consistentes’

Os pesquisadores testaram a droga em camundongos idosos APP / PS1 cujos cérebros estavam em estágio avançado de degeneração. Os ratinhos APP / PS1 são “ratinhos transgénicos” manipulados que transportam versões de genes humanos que estão ligados a uma forma hereditária da doença de Alzheimer.

Em um teste de aprendizado de labirinto, os ratos tratados apresentaram melhor formação de memória. Além disso, o exame de seu tecido cerebral mostrou uma redução nas placas amilóides, inflamação e estresse oxidativo.

Os ratos tratados apresentaram maiores taxas de geração de novas células nervosas e conexões célula-a-célula, e aumento dos níveis de um fator de crescimento chamado fator neurotrófico derivado do cérebro, que protege as células nervosas.

“Estes resultados muito promissores”, diz o Prof. Hölscher, “demonstram a eficácia destes novos medicamentos de múltiplos receptores que originalmente foram desenvolvidos para tratar diabetes tipo 2, mas mostraram efeitos neuroprotetores consistentes em vários estudos.”

Ele observa que os estudos clínicos que usaram uma versão mais antiga do mesmo tipo de droga já mostraram “resultados muito promissores em pessoas com doença de Alzheimer ou com transtornos do humor”.

Os pesquisadores acreditam que suas descobertas apontam para uma direção “promissora” na qual procurar novos tratamentos para a doença de Alzheimer.

“Aqui mostramos que um novo medicamento receptor triplo se mostra promissor como um tratamento potencial para a doença de Alzheimer, mas testes adicionais de dose-resposta e comparações diretas com outras drogas têm que ser realizados para avaliar se esta nova droga é superior às anteriores”.

Prof. Christian Hölscher

Like this post? Please share to your friends: