Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

ALS pode ser prevenida comendo frutas e legumes coloridos

Comer alimentos coloridos brilhantes, especialmente aqueles que são amarelos, alaranjados e vermelhos, pode prevenir ou retardar o início da esclerose lateral amiotrófica (ELA).

O estudo, publicado na revista Annals of Neurology, confirmou que carotenóides coloridos preveniram o aparecimento da ELA, enquanto dietas ricas em licopeno, beta-criptoxantina e vitamina C não diminuíram o risco de ELA.

Os carotenóides são o que fazem das frutas e legumes uma cor vermelha, laranja ou amarela, e são uma fonte alimentar de vitamina A.

Pesquisas anteriores relataram que o estresse oxidativo contribui para o desenvolvimento da ELA. Outra pesquisa mostrou que pessoas com alta ingestão de antioxidantes, como a vitamina E, têm um risco diminuído de ELA. Carotenóides e vitamina C são antioxidantes, portanto, os pesquisadores decidiram analisar sua ligação com o risco de ELA.

O que é o ALS?

Cerca de 20.000 a 30.000 americanos têm ALS – comumente conhecida como doença de Lou Gehrig. Além disso, milhares de pacientes são diagnosticados a cada ano com a doença, de acordo com o National Institutes of Neurological Disorders and Stroke (NINDS).

A ALS é uma doença progressiva que ataca as células nervosas (neurônios) na medula espinhal e no cérebro, que ditam as ações dos músculos voluntários. Quando os neurônios motores inferiores e superiores se deterioram, os músculos influenciam lentamente e desaparecem, resultando em paralisia.

O autor sênior Dr. Alberto Ascherio, professor de Epidemiologia e Nutrição na Escola Harvard de Saúde Pública em Boston, Massachusetts, disse:

“A ELA é uma doença degenerativa devastadora que se desenvolve entre 40 e 70 anos e afeta mais homens do que mulheres. É importante compreender o impacto do consumo de alimentos no desenvolvimento de ELA. Nosso estudo é um dos maiores realizados até agora para examinar o papel antioxidantes dietéticos na prevenção da ELA. “Os fatores de risco para a ELA incluem:

  • Idade – após 40 anos, o risco é maior.
  • Sexo – os homens correm mais risco que as mulheres.
  • Hereditariedade
  • Experiência militar – estudos mostraram que aqueles com histórico militar estão em maior risco
  • Futebol profissional – os estudos mostram que os jogadores profissionais de futebol estão em maior risco de morrer de ELA e outras doenças neurodegenerativas.

Frutos e Legumes Coloridos Diminuem o Risco de ELA

Os pesquisadores usaram dados de cinco grupos diferentes:

  • os Institutos Nacionais de Saúde (NIH) – AARP Diet and Health Study
  • Estudo de Prevenção do Câncer II – Coorte Nutricional
  • a coorte multiétnica
  • o Estudo de Acompanhamento dos Profissionais de Saúde
  • o estudo da saúde das enfermeiras

Os pesquisadores analisaram mais de um milhão de participantes. No total, 1.093 casos de ELA foram encontrados após a exclusão de participantes com consumo alimentar improvável.

Pesquisadores revelaram que uma maior ingestão total de carotenóides estava associada à diminuição do risco de ELA. Pessoas com carotenóides extras em suas dietas tiveram maior probabilidade de se exercitar, ter maior consumo de vitamina C, tomar suplementos de vitamina C e E e ter um grau avançado.

Eles também descobriram que os participantes com dietas ricas em caroteno e luteína – comumente presentes em vegetais verde-escuros – tiveram um risco reduzido de ELA. Os investigadores não descobriram, no entanto, que o licopeno, a vitamina C e a beta-criptoxantina reduziram o risco de ELA. Suplementos de vitamina C tomados durante um longo período de tempo também não foram associados a um risco reduzido de ELA.

Dr. Ascherio conclui: “Nossas descobertas sugerem que o consumo de alimentos ricos em carotenóides pode ajudar a prevenir ou retardar o aparecimento da ELA. Outras análises baseadas em alimentos são necessárias para examinar o impacto dos nutrientes da dieta na ELA”.

Escrito por Kelly Fitzgerald

Like this post? Please share to your friends: