Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Alcoolismo pode ajudar a curar o HIV, diz estudo

Um medicamento usado para tratar o alcoolismo – chamado disulfiram – poderia nos aproximar da cura do HIV, de acordo com os resultados de um novo estudo conduzido por pesquisadores da Universidade de Melbourne, na Austrália.

[Células do HIV no sangue]

A líder do estudo Prof. Sharon Lewin, do Instituto Peter Doherty para Infecção e Imunidade em Melbourne, e seus colegas publicam suas descobertas em.

O dissulfiram (nome comercial Antabuse) é um medicamento administrado a indivíduos com transtorno de uso de álcool para desencorajá-los a beber. Funciona bloqueando uma enzima chamada desidrogenase, que desempenha um papel no metabolismo da ingestão de álcool.

A inibição da desidrogenase causa sensibilidade aguda ao álcool; Se os pacientes consomem álcool enquanto tomam disulfiram, eles experimentam uma série de efeitos colaterais desagradáveis, incluindo dor de cabeça, náusea, dor no peito, vômitos, fraqueza, visão turva, sudorese e confusão mental.

Mas, além de ajudar no tratamento do alcoolismo, o professor Lewin e seus colegas descobriram que a droga poderia levar à cura de uma das doenças mais sérias e desafiadoras do mundo: o HIV.

A terapia anti-retroviral (TAR) é o principal tratamento para o HIV, envolvendo uma combinação de pelo menos três medicamentos antirretrovirais que retardam a progressão da doença. Embora o tratamento tenha levado a reduções nas taxas de mortalidade por HIV em todo o mundo, isso não é uma cura.

A TAR é incapaz de eliminar completamente o HIV dos pacientes; o vírus pode ficar dormente nas células, escondendo-se do ataque do sistema imunológico.

Mas em seu ensaio clínico de fase 2, os pesquisadores descobriram que o dissulfiram ajudou a “acordar” as células do HIV dormentes, permitindo que elas sejam destruídas – uma abordagem de “choque e morte” que os pesquisadores acreditam ser a chave para curar o vírus.

O dissulfiram “poderia ser o divisor de águas que precisamos”

Numerosos estudos investigaram tal abordagem. Em setembro, por exemplo, reportou um estudo que sugeria que uma classe de drogas testadas para o tratamento do câncer poderia despertar as células do HIV dormentes.

Fatos rápidos sobre o HIV nos EUA

  • Mais de 1,2 milhão de pessoas nos EUA com 13 anos ou mais têm HIV
  • Cerca de 1 em cada 8 pessoas com HIV nos EUA não sabem que estão infectadas
  • Existem cerca de 50.000 novas infecções por HIV nos EUA todos os anos.

Saiba mais sobre o HIV

No entanto, o professor Lewin e seus colegas observam que, até o momento, os medicamentos testados para reativar o HIV latente produziram efeitos colaterais tóxicos – uma grande barreira para o avanço da abordagem de choque e morte.

Para seu estudo – conduzido em colaboração com pesquisadores da Universidade da Califórnia – São Francisco – a equipe deu dissulfiramo a 30 pacientes HIV positivos nos EUA e Austrália que estavam recebendo ART.

O disulfiram foi administrado diariamente durante 3 dias. Os pacientes receberam 500 mg da droga no primeiro dia, 1.000 mg no segundo dia e 2.000 mg no terceiro dia.

Os pesquisadores descobriram que a dose de 2.000 mg ativou o HIV dormente nas células dos pacientes sem produzir efeitos colaterais tóxicos.

“A dose de disulfiram que usamos provoca mais ‘cócegas’ do que um ‘chute’ para o vírus, mas isso pode ser suficiente”, diz o professor Lewin. “Mesmo que a droga tenha sido administrada apenas por 3 dias, vimos um claro aumento no vírus no plasma, o que foi muito encorajador”.

Lewin acrescenta:

“Este estudo demonstra claramente que o dissulfiram não é tóxico e é seguro de usar, e pode muito bem ser o divisor de águas que precisamos.”

O primeiro autor do estudo Dr. Julian Elliott, chefe de pesquisa clínica no Departamento de Doenças Infecciosas da Monash University e Alfred Hospital na Austrália, observa que acordar o HIV dormente é apenas o primeiro passo para eliminá-lo; eles agora precisam encontrar uma maneira de destruí-lo.

“Este é um passo muito importante, pois demonstramos que podemos acordar o vírus adormecido com um remédio seguro que é facilmente tomado por via oral uma vez ao dia”, acrescenta. “Agora precisamos descobrir como se livrar da célula infectada. Um pontapé inicial no sistema imunológico pode ajudar. Ainda temos muito a aprender sobre como acabar com esse vírus muito inteligente.”

Recentemente, o US Food and Drug Administration (FDA) aprovou uma droga de comprimido único chamada Genvoya para o tratamento do HIV.

Like this post? Please share to your friends: