Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Adolescentes bebem muita cafeína

Adolescentes precisam de mais informações sobre o potencial dano que resulta do consumo de cafeína, diz um novo estudo publicado no.

[café]

A cafeína é uma droga: uma substância psicoativa facilmente disponível, amplamente utilizada, legalmente acessível e socialmente aceitável. Qualquer pessoa, de qualquer idade, pode usá-la e sua popularidade está crescendo, especialmente entre os jovens.

As estatísticas mostram que os adolescentes são a população de usuários de cafeína que mais cresce. Estudos indicaram que 83,2% dos adolescentes consomem bebidas com cafeína regularmente, e pelo menos 96% consomem ocasionalmente.

Enquanto bebidas energéticas cafeinadas receberam atenção da mídia, apenas 1% do consumo de cafeína entre adolescentes vem dessas bebidas.

O café é um culpado óbvio, mas muitos adolescentes não percebem que o chá, incluindo o chá gelado, e refrigerantes podem conter quantidades substanciais de cafeína.

Quanta cafeína é segura?

A Mayo Clinic afirma que até 400 mg de cafeína por dia é provavelmente seguro para a maioria dos adultos saudáveis. São aproximadamente quatro xícaras de café, 10 latas de refrigerante ou duas bebidas “energizadas”.

Mais de 500-600 mg por dia, eles chamam de “uso diário de cafeína pesado”. O uso pesado pode causar efeitos colaterais, como nervosismo, ansiedade, nervosismo, problemas de sono, distúrbios gastrointestinais, tremores, aumento da frequência cardíaca e até a morte.

Mesmo doses moderadas de 100-400 mg podem causar sintomas em crianças e adolescentes.

Estudos anteriores mostram que muitos adolescentes estão consumindo 60-800 mg por dia. A Mayo Clinic sugere um máximo de 100 mg por dia para adolescentes e nenhum para crianças mais novas.

Pesquisadores da Brescia University College, em Ontário, Canadá, queriam explorar as atitudes e crenças dos adolescentes em relação às bebidas cafeinadas e estabelecer quais fatores influenciavam a escolha dos padrões de bebida e consumo.

44,6% consomem cafeína entre uma e seis vezes por semana

O estudo investigou 166 jovens, dos quais 42% eram do sexo masculino e 72% eram estudantes do 9º e 10º anos. A equipe coletou respostas de 20 grupos de discussão e dados coletados de um questionário.

Os resultados mostraram que 44,6% dos entrevistados tomavam bebidas cafeinadas uma a seis vezes por semana, 11,4% consumiam uma bebida com cafeína todos os dias e apenas 4,8% nunca consumiam bebidas que continham cafeína.

A principal razão para consumir bebidas cafeinadas era sentir-se mais alerta, porque isso, segundo eles, as ajudaria a estudar melhor.

Fatos rápidos sobre cafeína

  • Uma xícara de 8 onças de café fresco contém 95-200 mg de cafeína
  • Uma xícara de café de 1 onça em estilo de restaurante contém 47-75 mg
  • Um café especial de 8 onças, como mocha ou café com leite contém 63-175 mg.

Saiba mais sobre a cafeína

Bebidas cafeinadas também são populares porque são “crescidas” e fáceis de acessar. Por exemplo, os alunos geralmente podem ir da escola para uma loja próxima para comprar bebidas. Muitos consomem cafeína porque está presente em refrigerantes populares.

Modelagem de papel dos pais foi um fator importante. Como os pais geralmente tomam café pela manhã e muitos o oferecem aos filhos, parece ser seguro e aceitável.

Mídia e publicidade, incluindo imagem de marca, endosso de celebridades e publicidade na TV e em eventos esportivos, estimulam o consumo. As normas sociais também desempenham um papel, já que os adolescentes querem se sentir incluídos ou estão curiosos para experimentar a nova bebida de um amigo.

Houve uma alta consciência geral dos efeitos negativos da cafeína sobre a saúde e das fontes, embora a maioria dos entrevistados não tenha certeza sobre o teor de cafeína do chá e refrigerantes.

Os pesquisadores concluíram que a educação complementar poderia ajudar os jovens a tomar melhores decisões sobre a ingestão de cafeína.

A autora sênior Danielle S. Battram, PhD, comenta que desenvolver estratégias educacionais mais abrangentes e aprimorar as políticas poderia ajudar a desencorajar os adolescentes a consumirem cafeína, limitando assim os riscos potenciais para a saúde.

Ela adiciona:

“Consumo excessivo de cafeína e intoxicação por cafeína têm efeitos sérios sobre a saúde, mesmo em doses moderadas. Com isso em mente, precisamos corrigir os equívocos que os adolescentes têm em relação a certos aspectos da cafeína.”

A equipe espera desenvolver estratégias educacionais específicas para reduzir a ingestão de cafeína e estabelecer maneiras fáceis de ajudar as pessoas a lembrar o que deve ser a ingestão diária recomendada.

Os autores também recomendam a promoção de formas alternativas de aumentar a energia, como uma dieta saudável e dormir o suficiente.

Recentemente, relatou que a cafeína pode ter benefícios em evitar a esclerose múltipla.

Like this post? Please share to your friends: