Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

A metformina se mostra promissora como um tratamento potencial para a síndrome do X frágil

Uma forma hereditária de deficiência intelectual chamada X frágil pode ser tratada com metformina, o medicamento de diabetes tipo 2 mais utilizado. Esta foi a conclusão a que os pesquisadores chegaram após estudar os efeitos sociais, comportamentais e biológicos da metformina em um modelo de rato de X frágil.

[metformina para síndrome do X frágil]

A equipe – incluindo membros da McGill University e da Université de Montréal, ambos no Canadá, e da Universidade de Edimburgo, no Reino Unido – relatam suas descobertas na revista.

A síndrome do X frágil é a causa mais comum de deficiência intelectual hereditária. É um distúrbio genético causado por defeitos em um gene chamado FMR1, que normalmente produz uma proteína essencial para o desenvolvimento normal do cérebro.

A proteína – chamada de proteína de retardo mental do X frágil (FMRP) – é totalmente ausente em pessoas com X frágil. Está parcialmente presente em pessoas com distúrbios frágeis relacionados ao X, que também são causadas por alterações no gene FMR1.

Embora o X frágil possa afetar tanto machos quanto fêmeas, quando surge nas fêmeas, os sintomas geralmente são mais leves. O número exato de pessoas afetadas é desconhecido, mas as estimativas sugerem que cerca de 1 em 5.000 meninos nascem com X frágil.

Sinais de que uma criança pode ter um X frágil incluem atrasos no desenvolvimento e aprendizagem – por exemplo, conversar, caminhar e aprender novas habilidades geralmente levam mais tempo para progredir do que em outras crianças da mesma idade.

O X frágil também está associado a problemas sociais e comportamentais, como ser muito ativo, ter dificuldade em prestar atenção e não fazer contato visual. Pessoas com X frágil também são mais propensas a serem diagnosticadas com convulsões, transtornos do espectro autista e ansiedade.

Atualmente não há cura para o X frágil, embora com o tratamento e cuidados corretos, as pessoas possam aprender habilidades que as ajudem a andar, conversar e interagir com outras pessoas, e elas podem receber medicação para controlar os sintomas comportamentais.

Perda de FMRP leva a caminhos hiperativos no cérebro

Os pesquisadores por trás do novo estudo observam que tem sido observado que a perda de FMRP no cérebro de pessoas com X frágil – e em camundongos com o defeito genético associado – resulta em hiperativação de certas vias moleculares.

Um desses caminhos leva à ruptura na formação das conexões ramificadas, ou “dendríticas”, entre as células cerebrais, ou neurônios, que lhes permitem enviar sinais uns aos outros.

Pesquisas recentes também mostram que a metformina – a droga mais usada para o tratamento do diabetes tipo 2 – pode ter potencial em outras áreas, como o tratamento do câncer, porque inibe algumas dessas mesmas vias.

Isso fez com que os autores se perguntassem se a metformina poderia mostrar alguns “efeitos terapêuticos” em um modelo de rato de X frágil.

Em seu estudo, eles relatam como testaram os efeitos das injeções de metformina em camundongos X frágeis.

Os camundongos X frágeis apresentam defeitos no gene FMR1 que os predispõe a desenvolver sinais e sintomas de X frágil, incluindo diminuição da socialização, aumento da aparência e anormalidades estruturais nas conexões dendríticas entre as células cerebrais.

Dez dias de metformina corrigiram defeitos X frágeis em camundongos

A equipe descobriu que após 10 dias de injeções de metformina, o remédio para diabetes havia “corrigido as anormalidades dendríticas” nos camundongos X frágeis e melhorado seus sintomas sociais e comportamentais.

Por exemplo, os ratos mostraram menos ataques de autolimpeza e mais facilmente socializaram com ratos “estranhos” introduzidos para eles.

Os pesquisadores observam que a metformina tem sido amplamente utilizada no tratamento do diabetes tipo 2 há mais de 30 anos, “e sua segurança e tolerabilidade estão bem documentadas”.

Isso sugeriria que a droga poderia se mover mais rapidamente através de ensaios clínicos e, se tudo correr bem, poderia estar disponível como um tratamento para o X frágil, muito mais cedo do que um novo candidato sem história clínica documentada.

Co-autor sênior Nahum Sonenberg, professor do Departamento de Bioquímica da McGill, diz que a metformina tem sido descrita como uma “droga maravilhosa” porque, além de seus efeitos sobre o câncer, está aumentando o interesse como um potencial tratamento para doenças cardiovasculares e cardiovasculares. doenças neurológicas, bem como para problemas de saúde relacionados com o envelhecimento.

Os pesquisadores acreditam, pelo que viram, que a metformina também pode ter potencial como tratamento para outros transtornos do espectro do autismo.

A equipe agora quer descobrir o papel exato que a metformina desempenha na restauração dos caminhos moleculares que são interrompidos quando o FMR1 está ausente.

“É uma história simples em termos da descrição das correções permitidas pela droga. O que é mais complicado é o mecanismo molecular, como exatamente funciona. Precisamos estudar, no laboratório, com quais moléculas a metformina interage e com quais células funções são afetadas “.

Prof. Nahum Sonenberg

Aprenda sobre os efeitos antitumorais da metformina.

Like this post? Please share to your friends: