Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

A maioria dos melanomas cresce como novos pontos, não de moles existentes

Uma revisão da pesquisa publicada revela que o melanoma, a forma mais letal de câncer de pele, geralmente se desenvolve como novos pontos e não a partir de manchas existentes. Os médicos de pele dizem que a descoberta ressalta a necessidade de verificar regularmente a pele para novos crescimentos e mudanças.

melanoma

Pesquisadores da Itália e da Grécia descrevem suas descobertas, obtidas de 38 estudos de melanoma publicados em bancos de dados acadêmicos reconhecidos, no.

O melanoma é um câncer de pele particularmente agressivo que começa como mutações nos melanócitos – as células que dão à pele sua cor. As células mutadas crescem de forma anormal e formam tumores.

A causa mais comum de melanoma é a exposição à luz ultravioleta (UV), como banhos de sol ou bronzeamento artificial. Os raios UV podem alterar as células da pele e danificar seu DNA.

O melanoma é muito mais fácil de tratar com sucesso se for encontrado cedo, enquanto o crescimento está confinado à camada externa da pele ou da epiderme. Se não for encontrado cedo, pode invadir camadas mais profundas e se espalhar para outras partes do corpo (metástase).

Uma vez que o melanoma se espalhou, é muito difícil de tratar e as chances de sobrevivência são muito diminuídas.

Em 2014, o ano mais recente das estatísticas nacionais, 76.665 pessoas nos Estados Unidos receberam um diagnóstico de melanoma da pele. Naquele ano, 9.324 pessoas também morreram da doença.

Mole existente ou novo crescimento?

Em seu trabalho de estudo, os pesquisadores explicam que as evidências sobre como o melanoma começa – se de uma mola existente, ou “nevo”, ou de um novo crescimento – são misturadas.

Eles observam que desde o final da década de 1940, os estudos de melanoma declararam uma ampla gama de taxas. Alguns disseram que os melanomas que começam em moles existentes representam apenas 4% dos casos, enquanto outros disseram que são responsáveis ​​por 72% dos casos. Além disso, uma análise recente de 25 estudos sugere que eles respondem por 36% dos casos.

No entanto, os autores argumentam que a principal razão para essa disparidade é que os estudos analisaram diferentes aspectos do câncer e suas origens, como a espessura do tumor e as características subjacentes da toupeira ou do local.

Eles observam, por exemplo, que as características de qualquer mole ou nevo subjacente são frequentemente difíceis de descrever, pois os tumores de melanoma podem deformar ou até destruir o tecido do local.

“Assim, é extremamente difícil ou mesmo impossível determinar se a lesão foi originalmente associada a um nevo ou não”, escrevem eles.

A maioria dos melanomas é um novo crescimento

Assim, para sua revisão, a equipe reuniu e analisou dados de estudos de pacientes com melanoma em que os pesquisadores haviam especificado se os melanomas estavam associados a sinais (melanomas “associados a nevo”) ou surgiram de novos tumores (melanomas “de novo”). ).

Ao todo, a equipe analisou 38 estudos observacionais e de controle de caso, totalizando 20.126 melanomas.

O principal achado do estudo foi que a maioria (70,9%) dos melanomas se desenvolve a partir de novos crescimentos, e apenas uma minoria (29,1%) surge de uma toupeira ou nevo existente.

Os autores escrevem: “Esse resultado fornece mais evidências de que a maioria dos melanomas não se origina da transformação maligna de células névicas”.

Eles não encontraram nenhuma ligação entre a taxa de melanomas associados à toupeira e a presença de tecido anormal (displásico) na toupeira.

Os pesquisadores também descobriram que melanomas que surgem de moles existentes tendem a ser mais finos do que aqueles que se desenvolvem a partir de novos pontos, sugerindo que pacientes com esse tipo de tumor tendem a ter melhor prognóstico.

Auto-exames e proteção solar

A equipe sugere que este achado significa que os pacientes que checam regularmente as toupeiras em busca de sinais de alterações suspeitas podem ter uma chance maior de encontrar melanoma em seu estágio inicial, quando o tratamento tem maior probabilidade de sucesso.

A Academia Americana de Dermatologia recomenda que as pessoas façam auto-exames regularmente em sua pele e façam com que seus parceiros verifiquem suas costas e outras áreas difíceis de ver.

“Como a doença [melanoma] tem maior probabilidade de aparecer como um novo crescimento, é importante que todos se familiarizem com todas as toupeiras em sua pele e procurem não apenas alterações nesses sinais, mas também quaisquer novos pontos que possam surgir.” aparecer.”

Dr. Caterina Longo, Universidade de Modena e Reggio Emilia, Itália

Eles também recomendam que as pessoas se protejam dos raios UV prejudiciais quando estiverem ao ar livre, permanecendo à sombra, vestindo roupas protetoras e aplicando um protetor solar de “amplo espectro” resistente à água com um fator de proteção solar mínimo (FPS) de 30.

Em 2011, a Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos acrescentou o termo “amplo espectro” na rotulagem dos filtros solares. Um protetor solar de amplo espectro protege contra as radiações ultravioleta A (UVA) e ultravioleta B (UVB). O SPF indica apenas o nível de proteção contra o UVB.

‘Broad-spectrum confunde os consumidores’

No entanto, outro estudo acaba de informar que a maioria das pessoas nos EUA não considera o espectro amplo ao escolher seu filtro solar.

Os pesquisadores dizem que a atual rotulagem de produtos de proteção solar, “especificamente a designação de amplo espectro, é confusa para os consumidores”.

Autor do estudo Roopal V. Kundu, professor associado de dermatologia da Northwestern University Feinberg School of Medicine, em Chicago, IL, e seus colegas sugerem que os rótulos dos filtros solares devem mostrar os níveis de proteção UVA e UVB separadamente.

Em sua pesquisa, eles descobriram que apenas 39% dos participantes levavam em conta o amplo espectro ao comprar protetores solares, apesar de a maioria deles dizer que o nível de proteção contra o câncer de pele deveria aparecer nos rótulos.

Quando a equipe apresentou aos participantes uma etiqueta que mostrava claramente os níveis de proteção UVA e UVB separadamente, eles foram mais capazes de entender como o produto protegia contra os dois tipos de raios UV.

Os pesquisadores dizem que mais estudos devem ser feitos para avaliar como os consumidores entendem as diferenças entre UVA e UVB e seus efeitos na pele. Eles também devem descobrir se a exibição separada dos níveis de proteção nos rótulos dos filtros solares influencia de fato as decisões de compra.

No entanto, eles concluem que, além de uma rotulagem mais clara, há também uma necessidade de melhorar a educação pública para que as pessoas tomem decisões bem informadas ao comprar protetores solares.

Like this post? Please share to your friends: