Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

A exposição precoce a micróbios pode proteger contra a leucemia infantil

Em uma revisão abrangente das evidências existentes, um importante cientista postula que a exposição limitada a micróbios na infância pode ser fundamental no desenvolvimento do tipo mais comum de leucemia infantil.

micróbios em azul

Em um artigo agora publicado na revista, o professor Mel Greaves – do Institute of Cancer Research em Londres, Reino Unido – propõe que a leucemia linfoblástica aguda (LLA) surge de “duas etapas discretas” envolvendo genes e germes:

  • O primeiro passo ocorre antes do nascimento na forma de uma mudança genética que não faz mais do que predispor o indivíduo a TODOS.
  • O segundo passo é outra mudança genética que ocorre durante a infância como resultado de “uma ou mais infecções comuns”. No entanto, é mais provável que isso aconteça em crianças que tiveram exposição limitada a germes no primeiro ano de vida.

Ambas as etapas são necessárias para o desenvolvimento do câncer. Consequentemente, menos de 1% das crianças geneticamente predispostas como resultado do primeiro passo desenvolverão a LLA.

O Prof. Greaves argumenta que há fortes evidências para apoiar a idéia de que a exposição a germes no início da vida ajuda a “estimular” o sistema imunológico e que infecções posteriores em indivíduos geneticamente predispostos com sistemas imunológicos “sem preparação” é o que desencadeia a leucemia.

‘Consequência paradoxal’ da sociedade moderna

A ALL é um câncer raro que surge em crianças e adultos quando sua medula óssea produz um tipo de glóbulo branco conhecido como linfócito. A doença então se espalha pela corrente sanguínea para outras partes do corpo.

Para crianças com LLA, a probabilidade de recuperação é alta – aproximadamente 98% daqueles que recebem remissão da experiência de tratamento. Para adultos, esse número é um pouco menor; apenas 20% a 40% provavelmente serão curados com as terapias atuais.

Existem várias opções de tratamento para LLA, e sua seleção depende de vários fatores, como a idade do paciente, o estágio do câncer e os tipos de alterações genéticas.

As opções atuais de tratamento incluem quimioterapia, radioterapia, “terapia direcionada” e transplante de células-tronco. Outros tratamentos – como a terapia com células T – também estão sendo explorados.

As taxas da ALL são mais altas nas sociedades mais desenvolvidas e mais desenvolvidas, e estão aumentando em cerca de 1% ao ano.

“Infância TODA”, diz o Prof. Greaves “pode ​​ser visto como uma consequência paradoxal do progresso nas sociedades modernas, onde as mudanças comportamentais restringiram a exposição microbiana precoce”.

Ele sugere que “preparar” o sistema imunológico das crianças nos primeiros 12 meses de suas vidas poderia impedi-los de desenvolver a LLA, além de poupá-los do trauma do tratamento e de seus efeitos colaterais pelo resto de suas vidas.

‘Evidência robusta’

Em sua resenha, o Prof. Greaves cita evidências de sua pesquisa anterior sobre ALL em gêmeos idênticos. Isso mostrou que, enquanto no útero, um gêmeo pode desenvolver a primeira mudança genética e passá-la – nas células afetadas – para o outro gêmeo através de seu “suprimento de sangue compartilhado”.

Desta forma, ambos os gêmeos nascem com a mesma predisposição genética. No entanto, a segunda mudança genética, que acontece após o nascimento, é diferente nos dois gêmeos.

Outros estudos realizados em populações humanas e testes em animais mostram que a segunda alteração genética pode resultar da infecção por vírus ou bactérias comuns. Um estudo realizado em Milão, Itália, por exemplo, mostrou que o culpado em todos os casos era o vírus da gripe.

Os pesquisadores também revelaram que os camundongos que são criados para carregar uma variante do gene que desencadeia a leucemia desenvolvem TODOS quando são transferidos de um ambiente estéril para um contendo germes comuns.

Outros estudos populacionais também descobriram que a exposição a germes infecciosos durante a infância – como ser amamentada e se misturar com outras crianças – pode reduzir o risco de LLA.

Poderia a razão ser porque o sistema imunológico aprende como se defender contra uma ampla gama de micróbios?

O Prof. Greaves também rejeita a idéia, devido à falta de evidência robusta, de que a exposição a cabos de eletricidade, radiação ionizante e poluição são as principais causas da LLA.

‘Corta os mitos’

Ao discutir o escopo de seu estudo, o Prof. Greaves ressalta que, embora revele um papel para infecções comuns no aumento do risco de LLA, a doença também é, como a maioria dos cânceres, “influenciada pela suscetibilidade genética herdada e pelo acaso”.

Ele também adverte que a teoria da “infecção tardia” se aplica apenas à ALL, e que “outros tipos mais raros de leucemia, incluindo leucemia infantil e leucemia mielóide aguda, provavelmente têm mecanismos causais diferentes”.

“Esse corpo de pesquisa”, ele explica, “é a culminação de décadas de trabalho e, finalmente, fornece uma explicação confiável sobre como o principal tipo de leucemia infantil se desenvolve”.

Paul Workman, chefe-executivo do Institute of Cancer Research, diz que a pesquisa “superou os mitos sobre a leucemia infantil e, pela primeira vez, estabeleceu uma única teoria unificada sobre como a maioria dos casos é causada”.

“A pesquisa sugere fortemente que a ALL tem uma clara causa biológica e é desencadeada por uma variedade de infecções em crianças predispostas cujos sistemas imunológicos não foram adequadamente preparados.”

Mel Greaves

Like this post? Please share to your friends: