Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

A estévia tem algum efeito colateral?

A estévia é um adoçante não nutritivo ou de caloria zero feito de glicosídeos de esteviol. Estes são compostos extraídos e refinados das folhas da planta.

Muitas pessoas optam por substituir o açúcar por stevia para reduzir o consumo de calorias. Neste artigo, analisamos os possíveis riscos e efeitos colaterais associados a esse adoçante natural.

O que é estévia?

Comprimidos do Stevia e sorriso em colheres de madeira, ao lado da folha da planta do stevia.

As folhas de estévia são cerca de 200 vezes mais doces que o açúcar branco tradicional e as pessoas as usam há séculos como adoçante e suplemento de ervas.

No entanto, a Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) considera apenas os glicosídeos de esteviol de alta pureza como seguros para consumo humano atualmente.

Como a FDA não aprovou extratos brutos de estévia e folhas de stevia como aditivo alimentar, as empresas não podem comercializá-las como produtos adoçantes.

Riscos e efeitos colaterais

De acordo com o FDA, a ingestão diária aceitável de glicosídeos de estévia é de 4 miligramas (mg) por quilograma de peso corporal.

Quando usado como adoçante ou para dar sabor aos alimentos, os especialistas não consideram a estévia altamente purificada como causadora de efeitos colaterais adversos.

Embora vários estudos tenham identificado possíveis efeitos colaterais da estévia nas últimas décadas, a maioria foi feita com animais de laboratório, e muitos já foram refutados.

Efeitos colaterais potenciais ligados ao consumo de estévia incluem:

Danos nos rins

A estévia é considerada um diurético, o que significa que aumenta a velocidade com que o corpo expele água e eletrólitos do corpo na urina. Como o rim é responsável por filtrar e criar urina, os pesquisadores inicialmente pensaram que o consumo prolongado de estévia poderia danificar o órgão.

Estudos mais recentes, no entanto, concluíram que a estévia pode ajudar a prevenir danos nos rins. Um estudo realizado em 2013 em um laboratório descobriu que a estévia reduziu o crescimento de cistos nas células renais.

Sintomas gastrointestinais

Alguns produtos de estévia contêm álcoois de açúcar adicionados que podem causar sintomas desagradáveis ​​em indivíduos que são muito sensíveis aos produtos químicos.

Embora a hipersensibilidade ao álcool de açúcar seja rara, seus sintomas podem incluir:

  • náusea
  • vômito
  • indigestão
  • cólicas
  • inchaço

Vários estudos utilizando culturas de roedores e células humanas demonstraram os potenciais benefícios gastrointestinais dos glicosídeos de esteviol. O uso de estévia tem demonstrado ajudar a limitar e reduzir a diarréia e os sintomas da síndrome do intestino irritável (SII).

Reação alérgica

De acordo com uma revisão de 2015, há muito poucos casos relatados de alergia à estévia. Tanto a FDA como a Comissão Européia concluíram que o número de indivíduos hipersensíveis à estévia ou com risco de ter uma resposta alérgica a ela é baixo.

Hipoglicemia ou baixo nível de açúcar no sangue

Embora a estévia possa ajudar a controlar o açúcar do sangue em pessoas com diabetes, também já se pensou que o consumo prolongado ou pesado de estévia poderia causar hipoglicemia ou baixa de açúcar no sangue.

Desde então, isso tem sido provado altamente improvável, exceto em indivíduos com níveis anormalmente baixos de açúcar no sangue.

Pressão sanguínea baixa

Sabe-se que a estévia atua como vasodilatador, fazendo com que os vasos sanguíneos se alarguem e diminuindo a pressão arterial geral. Atualmente, os pesquisadores exploraram apenas os aspectos potencialmente positivos desse uso.

Qualquer coisa que diminua a pressão arterial pode causar complicações de saúde com uso excessivo a longo prazo. Pessoas com pressão arterial baixa crônica devem falar com um médico sobre o uso prolongado de estévia.

Interrupção endócrina

Como um tipo de esteróide, os glicosídeos de esteviol podem interferir com os hormônios controlados pelo sistema endócrino. Um estudo de 2016 descobriu que os espermatozóides humanos expostos ao esteviol experimentaram um aumento na produção de progesterona.

Quem não deve usar stevia?

Mulher falando com nutricionista.

Algumas pessoas correm um risco maior de desenvolver efeitos colaterais do uso regular da estévia. Isso ocorre porque a estévia pode reduzir o açúcar no sangue e a pressão sanguínea, e age como um diurético.

A estévia também pode interagir com certos medicamentos, por isso é importante discutir a estévia com um médico antes de consumir ou comprar o produto.

Fatores que podem aumentar o risco de efeitos colaterais da estévia incluem:

  • condições de pressão arterial e medicamentos
  • condições hepáticas e medicamentos
  • condições renais e medicamentos
  • condições cardíacas e medicamentos
  • medicamentos reguladores de hormônios
  • esteróides
  • medicamentos contra o câncer

Formas inseguras de stevia

Existem muitos tipos diferentes de glicosídeos de esteviol encontrados na estévia, classificados em cinco grupos principais.

Embora a maioria das pesquisas existentes diga respeito aos dois principais componentes da estévia – esteviosídeo e rebaudiosídeo A (reb A) – um estudo de 2016 utilizando amostras fecais humanas concluiu que todas as formas do composto são provavelmente seguras para uso geral.

No entanto, ainda faltam pesquisas que apóiem ​​o uso seguro de compostos de estévia menos refinados. Como resultado, o FDA não reconhece folhas de estévia e extratos brutos como seguros para consumo.

Cada vez mais, os suplementos e extratos de estévia contêm ingredientes falsificados, principalmente adoçantes artificiais que estão ligados a riscos de saúde conhecidos.

Portanto, é importante comprar produtos certificados que contenham pelo menos 95% de glicosídeo de esteviol e que não contenham adoçantes artificiais ou sintéticos.

Produtos químicos potencialmente perigosos encontrados em produtos de stevia incluem:

  • maltodextrina
  • sacarina de sódio
  • ciclamato de sódio
  • aspartame

Estévia e gravidez

Mulher grávida com uma xícara de chá ou café.

Quando consumida em doses baixas, a estévia purificada geralmente não é considerada como um risco para a saúde de pessoas grávidas.

Estudos utilizando embriões de ratos estabeleceram que a estévia não afetou os resultados da gravidez ou da fertilidade e não foi tóxica para os tecidos fetais.

No entanto, alguns dos ingredientes falsificados comuns encontrados em misturas de estévia e fórmulas estão ligados a complicações sérias e podem causar anormalidades de nascimento. O mais notável desses ingredientes é a sacarina.

Doses altas ou uso pesado de stevia a longo prazo podem piorar os sintomas comuns da gravidez, aumentando a carga de trabalho em órgãos como os rins, a bexiga e o coração.

As complicações potenciais com o uso excessivo de produtos da estévia durante a gravidez incluem:

  • superaquecimento
  • desidratação
  • pressão sanguínea baixa
  • Prisão de ventre
  • disfunção ou insuficiência renal
  • fadiga
  • dores de cabeça
  • mudanças de humor
  • náuseas, cólicas e vômitos
  • Baixo teor de açúcar no sangue

Leve embora

Os pesquisadores ainda não entendem toda a gama de riscos associados à estévia. Uma revisão de 2017 explorando os resultados de saúde e as complicações associadas aos adoçantes com zero calorias concluiu que não foram feitos estudos suficientes para avaliar a segurança geral da estévia.

No entanto, dada a popularidade da stevia, existem vários estudos abrangentes e de larga escala sobre o assunto.

Em um estudo preliminar de 2017, ratos com dietas compostas de até 3,5% de estévia por 90 dias não apresentaram sintomas clínicos e não sofreram alterações na química sanguínea, função celular, compensação ou aparência.

Like this post? Please share to your friends: