Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

A doença de Alzheimer poderia ser prevenida com uma vacina?

Cientistas criaram uma vacina que se mostrou promissora no tratamento da psoríase e alergias a gatos, bem como na prevenção da doença de Alzheimer.

Doutor, enchimento, um, siringa, com, um, líquido

A nova pesquisa foi um esforço colaborativo entre universidades do Reino Unido e da Suíça, e os resultados foram publicados na revista.

Dr. John Foerster, um dermatologista e professor clínico sênior da Universidade de Dundee, na Escócia, Reino Unido, supervisionou conjuntamente a pesquisa com Martin Bachmann, professor de vacinologia no Instituto Jenner em Oxford, Reino Unido.

O Dr. Foerster, o Prof. Bachmann e sua equipe de pesquisa projetaram uma nova vacina combinando uma vacina anti-tétano existente com uma proteína de um vírus que afeta uma variedade de plantas.

A proteína viral foi retirada do chamado vírus do mosaico do pepino (CMV) – um vírus que recebeu este nome porque foi encontrado pela primeira vez em pepinos.

Os cientistas incorporaram o chamado epítopo do tétano nas partículas do CMV e testaram a vacina resultante em modelos animais de psoríase, alergias e doença de Alzheimer.

Um epítopo é a parte de uma substância estranha – neste caso, o tétano – que provoca uma resposta imune no corpo.

Vacina eficaz para condições crônicas

Como os pesquisadores explicam, a vacina foi bem sucedida contra a psoríase e alergias a gatos, com os ratos mostrando sinais de que seu sistema imunológico estava combatendo a infecção.

A vacina mostrou-se eficiente mesmo em camundongos velhos e em doses baixas.

O Dr. Foerster explica o mecanismo pelo qual sua descoberta pode prevenir doenças crônicas ou tratá-las depois que elas já se desenvolveram. “A idéia é bem simples. [Para] doenças como psoríase ou eczema, os medicamentos mais novos e mais eficazes no mercado são os chamados ‘anticorpos’, que são o que você e eu produzimos contra insetos em um resfriado comum”.

“Para doenças crônicas”, acrescenta ele, “esses anticorpos são feitos especialmente contra uma das próprias proteínas do corpo. Ao bloquear essa única proteína, a doença melhora.”

“Para usar o exemplo da psoríase”, continua ele, “uma proteína chamada Interleucina 17 precisa estar ativa para que a doença progrida”. Como os autores explicam no estudo, os medicamentos existentes que visam essa proteína são muito caros, embora eficientes e seguros.

“Ao criar uma vacina que estimula o organismo a produzir anticorpos contra a própria Interleucina 17”, explica Foerster, “podemos substituir a necessidade de injeções frequentes e caras”.

“[Podemos] tornar esse tipo de tratamento muito mais acessível e acessível a pacientes que, de outra forma, não teriam condições de comprar anticorpos especialmente fabricados”, observa ele.

“Nossa pesquisa mostra que essa técnica funciona em camundongos e, mais importante, nossa nova tecnologia de vacina mostra que é provável que seja um tipo de vacina mais eficaz do que os existentes em pessoas mais velhas.”

Dr. John Foerster

“Como muitos pacientes com doenças crônicas, como a psoríase, são idosos”, ele continua, “essa tecnologia pode funcionar muito melhor”.

Uma vacina contra a doença de Alzheimer

Em um modelo de camundongo da doença de Alzheimer, a vacina aumentou os níveis de certos anticorpos que, acredita-se, protegem contra a doença neurodegenerativa.

Mais especificamente, a vacina elevou os níveis dos anticorpos imunoglobulina G que se acredita reconheçam e combatam os agregados da placa beta-amilóide no cérebro – que é um marcador da doença de Alzheimer.

Com base nos achados, os autores sugerem que “uma abordagem de vacinação profilática poderia ser uma intervenção viável de saúde pública” contra a doença de Alzheimer.

Evidentemente, mais pesquisas são necessárias para testar esses benefícios em humanos. A vacina poderia ser adaptada a quase qualquer substância estranha, ou antígeno, escrevem os autores, e seria “idealmente […] adequada para o envelhecimento das populações”.

É isso que torna as descobertas particularmente encorajadoras, diz o professor Bachmann. Ele observa:

“A doença de Alzheimer geralmente se desenvolve em pessoas idosas. O fato de a vacina descrita aqui ser otimizada para indivíduos idosos parece, portanto, particularmente útil”.

“Um aspecto adicional importante”, conclui o Prof. Bachmann, “é que desenvolvemos uma tecnologia de plataforma e estamos atualmente ampliando nossos estudos pré-clínicos para vacinas contra a doença de Parkinson, bem como a dor crônica”.

Like this post? Please share to your friends: